Call for papers

« Résister / Resisting / Resistir »

***Versão em Português abaixo***

n° 37 (Spring 2021)

Intermediality. History and Theory of the Arts, Literature, and Technologies

Guest editors:

Alex Martoni, Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF), Brazil

 Hernán Ulm, Universidad Nacional de Salta (UNSA), Argentina

 Roberto Rubio, Universidad Alberto Hurtado (UAH), Chile

 

Deadline for submitting a proposal: March 15, 2020
Announcement of proposal selection results: March 30, 2020
Submission of completed texts for peer review: September 1, 2020
Publication of the texts approved by the journal’s editorial board: Spring 2021

 

RESISTING (Technocultures in Latin America)

Deeply rooted in Latin America’s political and cultural foundation, the act of resistance is now part of the emerging directions in contemporary artistic thought and production. If resistance has traditionally been understood as a foundational act by which the colonized oppose the colonizer—and the latter’s gaze, which determines how the colonized perceive themselves—it should no longer be seen as a simple opposition between these two figures; rather it should be analyzed on the basis of a reflection on the principles underlying this opposition. In this sense, we consider the development of different reconstructions of the ways in which resistance has operated and still operates in Latin America to be a productive endeavour, which will allow us to think of the decolonizing experience of our current moment as a reinterpretation of the oppressive past. This is the perspective from which this special journal issue invites reflection on the multiple meanings of the experience of resistance in Latin America, considering its possibilities, connections, displacements and emancipatory potentialities.

If, to a large extent, the act of resistance has marked the political and cultural experience of Latin America throughout its history, it has therefore been understood, initially, as an oppositional movement: resisting the armed forces of occupation, the prevailing political and economic models, the imposition of a language and a culture, but also, in the context of art, resisting certain expressive mediums, culturally established discourses, and configurations of sensibilities that have the power to organize communities. Thus, the Brazilian sculptor Aleijadinho instilled in soapstone a particular vision of the world; the Tropicalists proposed a wild mix between the archaic and the modern as a way of translating their own culture; writers like Guimarães Rosa or Macedonio Fernández have compelled the Portuguese and Spanish languages, respectively, to express other languages from within themselves in order to bring to light “new grammatical or syntactic powers” (Deleuze, 1993, p. 9). Secondly, the variety and singularities of Latin American artistic production have motivated its effort to describe this balance of power beyond the simple reproduction of the colonization model. From this point of view, the act of resistance could be thought of as a process of transculturation (Ángel Rama), hybridization (Néstor García Canclini), construction of an inter-place (Silviano Santiago) or as a form of anthropophagous swallowing (Oswald de Andrade). In fact, contemporary artistic and political practices allow us to rethink resistance as a decolonizing practice that refuses the recognition of the Western gaze and its claims to universality (Walter Mignolo, Anibal Quijano, Arturo Escobar and Ticio Escobar).

From this system of powers emerges a tense and complex negotiation between the Latin American experience and how that experience is being organized by media infrastructures (this can be traced historically and archaeologically through an analysis of the various ways in which intermediality has been shaped on our continent). Thus, confronted with the circulation of the written word (either the word of the new theological order or the watchword of the State), the founding experience of Latin American resistance reverts to other media whose capacities for writing become overloaded: the practices of oral culture, with incorporated images, and its specific modes of survival as organizer of those memories that escape the rules of the text. Specifically, the reception of Aby Warburg’s work in Latin America allowed us to consider the image as a space of thought (Denkraum) that remained outside of the colonizing order and that enabled the survival (Nachleben) of experiences predating the colonizers’ arrival on American territory (Burucúa, Ulm, Navallo). We can therefore understand the Latin American experience of resistance as a means of creating a specific intermediate and intermedial space that challenges where the normalized status quo and its role in the formation of traditional ways of thinking.

The changes brought about by new technologies for recording, storing and reproducing information during the last decades of the twentieth century have deepened this problem, insofar as they have highlighted the question of the politico-aesthetic dimension of contemporary modes of sociotechnical design. For example, Vilém Flusser showed us how linear writing irrevocably imposes the force of historical time on us; Jonathan Crary stressed the importance of technical devices in the archaeological construction of observation as a mode of subjectification that emerged between the late eighteenth and early twenty-first centuries; Friedrich Kittler radicalized our thinking about technological determinism by showing how our instruments for writing, inscription and recording affect our thinking. Thus, the question posed by media and its intermedial potentialities is the following: How to create alternative configurations of sensibility in a world where subjectivities are constructed within sociotechnical information systems?

In this sense, resisting, as expressed in contemporary Latin American artistic production, means engaging in the construction of forms of intelligibility and expressions of sensibility through the transformation of the materiality of their mediums and forms of codification in order to modify the relationships between literature, images, audiovisual arts and digital culture. Directors such as Paz Encina from Paraguay and Albertina Carri from Argentina question the capacity of the cinematographic system to establish itself as a place of storage and memory preservation; Chilean documentary filmmaker Tiziana Panizza explores the intersections between individual and collective memories through the use of the found footage technique; the Brazilian writer and visual artist Nuno Ramos thrives on the tension between artistic borders; audiovisual or digital artists and Latin American photographers and popular activists (Mídia Ninja, among others) use technical devices in ways that are inimical to their conventional operation and, in this manner, produce new forms of perceptibility. These artworks and actions demonstrate that resisting can no longer be understood only as an act of opposition but is, also and above all, an act of interruption (that diverts, suspends, cuts, intersects) or decolonization of the flows of a normalized sensibility by the new devices for the production of the sensible.

This issue of Intermedialities aims to gather contributions that reflect precisely on the aesthetic and political dimension of technocultural production in Latin American literature and the arts. The texts may address, but are not limited to, one or more of the following objectives:

  • To analyze the different concepts of resistance produced in Latin America through artistic and political debate with the aim of illuminating new ways of understanding the act of resistance beyond the binary oppositions that traditionally inscribe it within Western thought;
  • To map resistance as an intermedial process specific to the Latin American context;
  • To analyze artistic and political practices that bring to light the cultural mechanisms of power historically imposed in Latin America;
  • To analyze how contemporary Latin American artistic and literary production allows us to reflect on the social and cultural impact of new information technologies;
  • To analyze the aesthetic and political consequences of new sociotechnical devices in terms of the production of subjectivity;
  • To think about strategies of resistance to the imposition of stereotypes produced by new algorithmic systems;
  • To analyze works that, based on the use of technical devices, offer other regimes of visibility, by carrying out counter-power exercises and seeking interstitial territories of resistance;
  • To think about how the migration of literature, cinema and the visual arts on different media platforms has led to the need for a renewal and expansion of the categories and discourses within which they are inscribed;
  • To create concepts that break with the colonizing binaries of Western thought, and decolonization, in order to fracture and question the fixed positions occupied by the colonizer and the colonized.

 

*********

 

Intermédialités/Intermediality is a biannual scholarly journal, which publishes articles in French and English evaluated through a blind peer review process.

Proposals (max. 700 words) can be written in either English or French and should be sent to the issue editors at the following email address:

alexmartoni@cesjf.br; hernan_ulm@yahoo.com; rorubio@uahurtado.cl

The results from the selection process will be announced on March 30, 2020 and the deadline to submit the full texts of the articles will be September 1, 2020. The articles will then be evaluated through a blind peer-review process. The journal’s editorial board will make a final decision on the publication of articles over the summer months. The selected articles will be published in Spring 2021.

Final submissions should be no longer than 6,000 words (40,000 characters, including spaces) and can incorporate illustrations (audio, visual, still or animated) whose publication rights should be secured by the authors.

Authors are requested to follow the journal’s submission guidelines available at:

[FR] http://intermedialites.com/wp-content/uploads/2016/01/Protocole-de- r%C3%A9daction-Intermedialites-mai-2017-FR.pdf;

[EN] http://intermedialites.com/wp-content/uploads/2016/01/Submission-Guidelines- 2017-EN-May-2017.pdf

For more information on Intermédialités/Intermedialities, please consult the journal issues available through the online portal Érudit: http://www.erudit.org/revue/im/apropos.html

 

*********

Chamada para contribuições:

“Résister / Resisting / Resistir

n° 37 (Primavera 2021)

Intermédialités. Histoire et théorie des arts, des lettres et des techniques

Intermediality. History and Theory of the Arts, Literature, and Technologies

Editores convidados:

Alex Martoni, Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF), Brasil.

Hernán Ulm, Universidad Nacional de Salta (UNSA), Argentina.

Roberto Rubio, Universidad Alberto Hurtado (UAH), Chile.

 

Data de submissão das propostas: 15 de março de 2020
Anúncio das propostas selecionadas: 30 de março de 2020
Submissão dos textos completos para avaliação: 1º de setembro de 2020
Publicação dos textos selecionados pelo conselho editorial da revista: primavera de 2021

 

RESISTIR (Tecnoculturas na América Latina)

Profundamente enraizado na formação política e cultural da América Latina, o ato de resistir se inscreve em novos domínios do pensamento e da produção artística contemporânea. Se, tradicionalmente, o ato de resistir foi compreendido como um gesto fundador pelo qual o colonizado fixa a maneira como se percebe ao se opor ao colonizador e a ele se submeter, hoje, a resistência não deve mais ser vista como uma simples oposição entre essas duas figuras, mas analisada a partir de uma reflexão acerca dos princípios que articulam-na. Nesse sentido, parece-nos produtivo desenvolver outras maneiras de reconstruir os modos pelos quais o ato de resistir operou e opera na América Latina, o que nos permite pensar a experiência decolonizadora de nosso presente como uma reinterpretação do passado opressor. Dentro dessa perspectiva, este dossier propõe uma ampla reflexão sobre os múltiplos sentidos da experiência do ato de resistir na América Latina, considerando suas diferentes possibilidades, conexões, deslocamentos e potencialidades emancipadoras.

Em grande medida, o gesto de resistir marcou a experiência política e cultural da América Latina ao longo de sua história, Primeiramente, ele foi compreendido como um movimento de oposição: resistir às forças armadas de ocupação, aos modelos político-econômicos, às imposições linguísticas e culturais, mas também, sob a perspectiva artística, aos materiais de expressão, aos discursos culturalmente estabelecidos, às configurações sensíveis que organizam uma comunidade. O escultor brasileiro Aleijadinho submeteu a pedra-sabão à expressão uma visão de mundo particular; os tropicalistas propuseram uma mistura selvagem entre o arcaico e o moderno como modo de tradução de sua própria cultura; escritores como Guimarães Rosa ou Macedonio Fernández forçaram as línguas portuguesa e espanhola, respectivamente, a exprimir outras línguas por meio delas mesmas – isto é, sob a perspectiva de Gilles Deleuze, trazer “à luz novas potências gramaticais ou sintáticas” (Deleuze, 2011, p. 9). Sob um segundo prisma, a variedade e as singularidades da produção artística latino-americana implicam um outro esforço, aquele de desenvolver modos de descrição desse sistema de forças para além da simples reprodução do modelo do colonizador. Nessa perspectiva, o ato de resistir pode ser pensado como um processo de transculturação (Ángel Rama), de hibridação (Néstor García Canclini), de construção de um entre-lugar (Silviano Santiago) ou como uma forma de deglutição antropofágica (Oswald de Andrade). Desse modo, as práticas artísticas e políticas contemporâneas nos permitem repensar o gesto de resistência como uma prática decolonizadora que recusa se reconhecer sob as categorias universalizantes forjadas pelo pensamento colonialista   (Walter Mignolo, Anibal Quijano, Arturo Escobar e Ticio Escobar).

Esse sistema de forças emerge de uma negociação tensa e complexa entre a experiência latino-americana e a maneira como a infraestrutura das mídias a organiza (que pode ser investigada histórica e arqueologicamente a partir de uma análise das diferentes operações através das quais a intermidialidade é plasmada em nosso continente). Assim, em face à circulação da palavra escrita (seja a palavra de uma nova prescrição teológica, seja a palavra de ordem do Estado), a experiência fundadora latino-americana se propaga por outros suportes nos quais a escritura se vê sobrecarregada: as práticas da cultura oral ou as imagens e seus modos específicos de sobrevivência como organização de uma memória que não se permite ser capturada pelas regras do texto escrito. Nesse sentido, a recepção latino-americana da obra de Aby Warburg, por exemplo, nos permitiu considerar as imagens como um espaço de pensamento (Denkraum) que não foi capturado pelas normas da colonização e que tornou possível a sobrevivência (Nachleben) de experiências anteriores à chegada do colonizador sobre o território americano  (Burucúa, Ulm, Navallo). É possível, portanto, compreender as experiências de resistência latino-americanas como modo de criar um espaço intermediário e intermidial específico que coloca em questão o papel desempenhado pelas estruturas normatizadas de formação dos modos tradicionais de pensamento.

As mudanças operadas pelas novas tecnologias de registro, processamento e reprodução de informação em curso nos últimos decênios do século XX aprofundaram esse problema, na medida em que colocaram em relevo a questão da dimensão político-estética dos meios contemporâneas de agenciamento sociotécnico. Vilém Flusser, por exemplo, nos mostrou como a escrita linear nos impõe definitivamente a força do tempo histórico; Jonathan Crary apontou a importância dos aparatos técnicos no processo de construção arqueológica da observação como um modo de subjetivação específica que emerge entre o fim do século XVIII e o início do século XIX; Friedrich Kittler, por sua vez, radicalizou os modos de pensar o determinismo tecnológico, mostrando como nossos instrumentos de escrita, de inscrição e de registro agem sobre o nosso pensamento. Nesse sentido, o problema que a questão das mídias e das possibilidades intermidiais colocam é o seguinte: como produzir configurações alternativas de sensibilidade em um mundo onde as subjetividades são construídas no seio dos dispositivos sociotécnicos de informação?

Justamente dentro dessa perspectiva, no âmbito da produção artística contemporânea latino-americana, resistir significa se engajar na construção dos modos de inteligibilidade e de expressão do sensível, transformando a materialidade dos suportes e das formas de codificação a fim de modificar as relações entre a literatura, as imagens, as artes audiovisuais e a cultura digital. Realizadores como Paz Encina, do Paraguai, e Albertina Carri, da Argentina, se interrogam, por exemplo, sobre as capacidades do dispositivo cinematográfico de se constituir como um lugar de arquivamento e conservação da memória; a documentarista chilena Tiziana Panizza explora as interseções entre as memórias individual e coletiva através da utilização da técnica de found footage; o escritor e artista plástico brasileiro Nuno Ramos opera no nível da tensão entre as fronteiras artísticas; artistas audiovisuais, digitais e fotógrafos latino-americanos, como aqueles organizados em grupos militantes (Mídia Ninja, dentre outros) se utilizam de dispositivos técnicos a fim de interromperem suas condições de funcionamento e, de certa maneira, produzirem novas formas do perceptível. Essas obras e ações nos mostram que resistir não pode ser compreendido somente como um ato de oposição, mas, sobretudo, como um ato de interrupção (para desviar, suspender, recortar e hibridizar) ou de decolonização do fluxo de uma sensibilidade normatizada pelos novos dispositivos de produção do sensível.

Este número da revista Intermédialités deseja reunir contribuições que busquem refletir, precisamente, sobre a dimensão estética e política da produção tecnocultural das artes e das literaturas latino-americanas. A título indicativo, os textos poderão adotar, parcialmente ou em sua totalidade, uma ou várias das seguintes diretrizes:

  • Analisar as diferentes concepções de resistência produzidas no debate artístico e político latino-americano com o objetivo de expor novas maneiras de compreender o ato de resistir para além das oposições binárias que o inscrevem tradicionalmente dentro do pensamento ocidental;
  • Traçar uma cartografia da resistência como uma operação intermidial específica no contexto latino-americano;
  • Analisar práticas artísticas e políticas que colocam em relevo os dispositivos culturais de poder impostos historicamente na América Latina;
  • Analisar como a produção artística e literária contemporânea da América Latina nos permite refletir sobre o impacto social e cultural das novas tecnologias de informação;
  • Analisar as consequências estéticas e políticas dos novos dispositivos sociotécnicos no âmbito dos processos de produção de subjetividade;
  • Pensar as estratégias de resistência às imposições dos clichês sensíveis produzidos pelas novas materialidades algorítmicas;
  • Analisar obras que, a partir da utilização dos dispositivos técnicos, oferecem regimes alternativos de visibilidade, realizando exercícios de contrapoder e buscando territórios intersticiais de resistência na América Latina;
  • Pensar em como as migrações da literatura, do cinema e das artes plásticas sobre diferentes suportes implicaram a necessidade de uma renovação e de uma expansão das categorias e discursos que os envolvem;
  • Criar conceitos que busquem romper com os binarismos ocidentais, como o pensamento decolonial, que visa romper as posições fixas ocupadas pelo colonizador e o colonizado.

 

*********

 

Intermédialité é uma revista científica semestral que publica artigos em inglês ou em francês submetidos à avaliação cega por pares.

As propostas de contribuição (máximo de 700 palavras) poderão ser redigidas em inglês ou em francês. Elas deverão ser enviadas aos seguintes endereços:

alexmartoni@cesjf.br ; hernan_ulm@yahoo.com ; rorubio@uahurtado.cl

As propostas selecionadas serão anunciadas no dia 30 de março de 2020 e os artigos completos deverão ser enviados até o dia 1º de setembro de 2020. Eles passarão, em seguida, por avaliação cega por pares. A decisão final do conselho editorial da revista ocorrerá ao longo do verão. Os artigos aprovados serão publicados na primavera de 2021.

Os artigos definitivos deverão ter aproximadamente 6.000 palavras (40.000 caracteres, espaços incluídos) e poderão conter ilustrações (sonoras, visuais, fixas ou animadas), cujo direito de publicação o autor do artigo deverá obter.

Os autores deverão seguir as normas do protocolo de redação da revista, disponível no endereço abaixo:

[FR]http://intermedialites.com/wp-content/uploads/2016/01/Protocole-de-r%C3%A9daction-Intermedialites-mai-2017-FR.pdf;

[EN]http://intermedialites.com/wp-content/uploads/2016/01/Submission-Guidelines-2017-EN-May-2017.pdf.

 

*********

Bibliographie / Bibliography / Bibliografia

Beatriz Azevedo, Antropofagia – Palimpsesto selvagem, São Paulo, Cosac Naify, 2016.

Néstor García Canclini, Culturas híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade, tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão, São Paulo, EDUSP, 2015.

Santiago Castro Gomez, Ramón Grosfoguel (eds.), El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global, Bogotá, Siglo del Hombre Editores, 2007.

James Cisneros, “Nostalgia das mídias no cinema latino-americano”, in Márcia Arbex, Miriam de Paiva Vieira, Thaïs Flores Nogueira Diniz (eds.), Escrita, som, imagem: perspectivas contemporâneas, Belo Horizonte, Fino Traço, 2009.

Jonathan Crary, Suspensions of Perception: Attention, Spectacle, and Modern Culture, Massachusetts, MIT Press, 2001.

Jonathan Crary, Técnicas do observador: visão e modernidade no século XIX, Tradução de Verrah Chamma, Rio de Janeiro, Contraponto, 2012.

Jonathan Crary, 24/7. Capitalismo tardio e os fins do sono, Tradução de Joaquim Toledo Jr., São Paulo, Cosac Naify, 2014.

Gilles Deleuze, Pourparlers, Paris, Éditions de Minuit, coll. « Reprise », 1990.

Gilles Deleuze, Critique et clinique, Paris, Éditions de Minuit, coll. « Paradoxe », 1993.

Thaïs Flores Nogueira Diniz (Org.), Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea, Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2012.

Thaïs Flores Nogueira Diniz, André Soares Vieira (Orgs.), Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea 2,  Belo Horizonte, Rona Editora, FALE/UFMG, 2012.

Ticio Escobar, El mito del arte y el mito del Pueblo: Cuestiones sobre el arte popular,  Buenos Aires, Ariel, 2014.

Vilém Flusser, O universo das imagens técnicas, São Paulo, Annablume, 2008.

Vilém Flusser, A escrita: há futuro para a escrita?, tradução de Murilo Jardelino da Costa, São Paulo, Annablume, 2010.

Vilém Flusser, Filosofia da caixa preta, São Paulo, Annablume, 2011.

Vilém Flusser, Gestures, translated by Nancy Ann Roth, Minneapolis, University of Minnesota Press, 2014.

Michel Foucault, Dits et écrits, tomes I-IV, Paris, Gallimard, 1994.

Michel Foucault, Les mots et les choses, Paris, Gallimard, coll. « Tel », 1966.

Richard Grusin, Jay David Bolter, Remediation: Understanding New Media, Massachusetts, MIT Press, 2000.

Hans Ulrich Gumbrecht, Karl Ludwig Pfeiffer, Materialities of communication, California, Stanford University Press, 1994.

Friedrich Kittler, Discourse networks 1800/1900, translated by Michael Metteer, with Chris Cullens, California, Stanford University Press, 1990.

Friedrich Kittler, Gramophone, Film, Typewriter, translated by Geoffrey Winthrop-Young and Michael Wutz, California, Stanford University Press, coll. “Writing Science”, 1999.

Friedrich Kittler, A verdade do mundo técnico: ensaios sobre a genealogia da atualidade, tradução de Markus Hediger, Rio de Janeiro, Contraponto, 2017.

Alex Martoni, Adalberto Müller (Orgs.), Rituais da percepção, Rio de Janeiro, Oficina Raquel, 2019.

Alex Martoni, Hernán Ulm, Fernando Pérez Villalón (Orgs.), “Literatura, Mídias, Materialidades”, Verbo de Minas, vol. 19, n° 34, 2018, https://seer.cesjf.br/index.php/verboDeMinas/issue/view/78/showToc.

Walter Mignolo, “The darker side of modernity: Coloniality and Modernity/Rationality”, Cultural Studies, vol. 21, nos 2-3, 2007.

W.J.T. Mitchell, Mark Hansen, Critical Terms for Media Studies, Chicago, The University of Chicago Press, coll. “Critical Terms”, 2010.

Ángel Rama, A cidade das letras, tradução de Emir Sader, São Paulo, Editora Brasiliense, 1984.

Ana María Risco, La deriva líquida del ojo: ensayos sobre la obra de Alfredo Jaar, Santiago de Chile, Catálogo, 2017.

Silviano Santiago, Uma literatura nos trópicos, Rio de Janeiro, Rocco, 2000.

Gilbert Simondon, L’individuation à la lumière des notions de forme et d’information, Paris, Édition Jérôme Millon, 2005.

Gilbert Simondon, Du mode d’existence des objets techniques, Paris, Aubier, 2012.

Hernán Ulm, “La herida cinematográfica: Daniela Seggiaro y Rithy Panh”, Revista La Fuga, n° 18, Chile, 2016, http://www.lafuga.cl/la-herida-cinematografica/788.

Hernán Ulm, Alex Martoni, “Rituales de la percepción. Vilém Flusser: por una fenomenología de los gestos”, Cuadernos del sur, n° 45, Bahía Blanca, Universidad Nacional del Sur, 2018, http://ojs.uns.edu.ar/csf/article/view/889.

Hernán Ulm, Sergio Martínez Luna (Orgs.), Dossier: Aproximaciones a un pensamiento (de lo) técnico, Revista Barda, año 5, n° 8, Universidad Nacional del Comahue, Centro de Estudios en Filosofía de la Cultura, 2019, http://www.cefc.org.ar/revista/index.php/history-2/.

Hernán Ulm, Tatiana Navallo (Orgs.), “Dossier: Tecnologías poéticas en el arte contemporáneo”, Revista Estesis, vol. 6, año 6, Colombia, Debora Arango, 2019, https://revistaestesis.edu.co/index.php/revista/issue/view/6.

Fernando Pérez Villalón, La imagen inquieta: Juan Downey y Raúl Ruiz em contrapunto,  Santiago de Chile, Catálogo, 2016.

Paul Virilio, Guerre et cinéma. Logistique de la perception, Paris, Éditions Cahiers du cinéma, 1991.

Ismail Xavier, Alegorias do subdesenvolvimento: cinema novo, tropicalismo, cinema marginal, São Paulo, Cosac e Naify, 2012.

Antonio Candido. “Literatura de dois gumes”, in:  A educação pela noite e outros ensaios, São Paulo, Editora Ática, 2003.